Header Ads

Após motociata, Bolsonaro defende enquadramento de ministros do STF

Ao discursar para centenas de apoiadores, neste sábado, em Caruaru-PE, o presidente Jair Bolsonaro defendeu que ministros do STF sejam "enquadrados" e voltou a citar a possibilidade de "ruptura", o que ele "não deseja". Bolsonaro discursou num estacionamento de um centro comercial, após participar de um passeio de moto pela cidade.

Caruaru.
— O nosso Supremo Tribunal Federal não pode ser diferente do Poder Executivo ou do Poder Legislativo. Se lá tem alguém que ousa continuar agindo fora das quatro linhas da Constituição, aquele poder tem que chamar essa pessoa e enquadrá-la e lembrar-lhe que ele fez um juramento de cumprir a Constituição. Se assim não ocorrer, (...) a tendência é acontecer uma ruptura — disse Bolsonaro.

No mesmo discurso, disse que não deseja ruptura:

— Não quero nem desejo ruptura. Tenho certeza que nem o povo brasileiro assim o quer. Mas a responsabilidade cabe a cada poder. Apelo a esse outro poder, que reveja a ação dessa pessoa que está prejudicando o destino do Brasil — disse o presidente da República. Aparentemente Bolsonaro se referia a Alexandre de Moraes, que ordenado prisões de conservadores.

Caruaru.
O presidente voltou a convocar seus apoiadores para as manifestações no feriado de 7 de setembro. Afirmou que estará presente e querer uma foto em Brasília e outra em São Paulo.

— O retrato do povo servirá para mostrar para esses que ousam não respeitá-los, que ousam não mais se submeter à nossa Constituição, que eles serão colocados no devido lugar — afirmou.

Bolsonaro afirmou que não fará apenas figuração no 7 de setembro:

— Não estaremos lá apenas para fazer figuração. Estaremos lá para mostrar a todos que não admitiremos mais, quem quer que seja, ignorar a nossa Constituição — afirmou.

— Eu sou chefe de um poder. Existem mais dois poderes em Brasília. Nesses três poderes, ninguém é mais soberano que o povo. Temos um ou outro saído da normalidade. Temos um ou dois jogando fora das quatro linhas da Constituição. Nós jogamos dentro das quatro linhas. Mas o povo, como poder moderador, não pode admitir que nenhum de nós jogue fora dessas quatro linhas.

Um dia antes, em Tanhuaçu, sudoeste baiano, o presidente afirmou que as manifestações da próxima terça-feira servirão como ultimato a ministros do STF.

Caruaru recepciona Bolsonaro.

Deixe uma resposta