Vídeo: ex-funcionário da Yacows acusa jornalista da Folha, mas é desmentido

Vídeo: ex-funcionário da Yacows acusa jornalista da Folha, mas é desmentido

O ex-funcionário da Yacows Hans River do Rio negou, em depoimento à CPMI das Fake News, que tenha entregado qualquer documento ou passado informações à Folha de S Paulo sobre supostos disparos em massa feitos pela campanha de Jair Bolsonaro em 2018.

Hans conta que a jornalista Patrícia Mello o procurou para entrevista sobre um livro, mas, em meio a conversa, tentou falar sobre a agência de marketing digital Yacows, mostrou cópia de um processo trabalhista com andamento sigiloso e ainda pediu para acessar seu notebook.

Devido ao comportamento da jornalista, Hans conta que, no dia seguinte, foi à redação da Folha para verificar que havia conversado com uma jornalista daquela empresa. Relata que a jornalista o levou para a redação, onde ele ouviu uma discussão e foi embora.

No dia seguinte, afirma Hans, a Folha usou seu nome para publicar matéria acusando o então candidato Jair Bolsonaro (entre o 1º e o 2º turnos) de fazer disparos em massa por meio de WgatsApp. Com base na matéria, o PT pediu a cassação de Bolsonaro ao TSE, mas perdeu.

Assista ao vídeo

RESPOSTA – A Folha de S Paulo desmentiu as afirmações de Hans. Em matéria, o jornal exibiu documentos e mensagens das conversas entre Hans e Patrícia, inclusive no sentido de deixar claro que a matéria em elaboração se referia a disparos em massa. O texto esclarece ainda que o ex-funcionário enviou arquivos internos da empresa à jornalista.

Deixe seu comentário