Quem afirma é o ex-ministro Antonio Palocci, que contratou novos advogados para negociar delação premiada com o Ministério Público Federal.