O esquema de lavagem de dinheiro organizado em conjunto pela construtora Odebrecht e pela cervejaria Itaipava bancou as despesas de R$ 1,7 milhão para a compra do chamado